1-728x90_rbs

Caminhão autônomo faz o “trabalho sujo” no fundo da mina

– Volvo testa FMX na Suécia há 1000 metros abaixo do solo; tecnologia é avaliada em aplicação severas volvo_fmx_autonomo

Antes de rodar por aí para levar madame para fazer compra, o veículo autônomo terá tarefas bem mais nobres. Muitos autônomos já estão prontos para rodar e os primeiros testes são justamente em situações de risco; situações em que a operação humana é difícil e desgastante. Protótipos de tratores que andam sozinhos, por exemplo, já trabalham na lavoura, monitorados por controle, evitando que o homem faça trabalho pesado, repetitivo e insalubre.

A cada experiência o veículo autônomo dá mais um passo para o seu desenvolvimento. A Volvo acaba de colocar em teste o caminhão autônomo FMX em operações regulares na mina de Boliden, em Kristineberg, norte da Suécia, para avaliar o comportamento da tecnologia em áreas de aplicação severas com limitações geográficas, testes feitos a 1000 metros abaixo do solo.

“Com a operação em Boliden, o desenvolvimento de veículos autônomos entra numa nova fase. É a primeira vez que veículos autônomos são testados em operações regulares subterrâneas, e os resultados serão valiosos para nossa missão de transformar descobertas técnicas em benefícios para clientes,” disse Claes Nilsson, presidente da Volvo Trucks.

A expectativa é que os caminhões autônomos podem proporcionar uma contribuição significativa para o aumento da eficiência nos transportes, principalmente em áreas como minas, portos, ambientes controlados, com restrições geográficas e alta proporção de direção repetitiva.

O Volvo FMX é equipado com a função autônoma e um sistema que incorpora sensores de radar/laser, que serve para monitor a geometria da mina e gerar um mapa da rota que o caminhão. A informação coletada será então usada para regular a direção, a velocidade e as trocas de marchas do veículo. A cada nova viagem, os sensores voltam a escanear a área em volta do caminhão e continuar otimizando tanto a operação quanto a rota.  Dois dos sensores estão permanentemente monitorando a área em volta do caminhão. Caso haja uma falha no sistema dos caminhões, eles podem ser operados remotamente da central de gestão de transporte.

Os caminhões operam sem parar e reduzem os tempos de carga e descarga, além de ter menor consume de combustível e menor desgaste do equipamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Todo o conteúdo deste site é propriedade da Autoinforme - Agências de Informação do Automóvel S/C LTDA
É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio.
Para obter autorização da reprodução do conteúdo LIGUE para (11) 5535-6294 | Email:autoinforme@autoinforme.com.br