– Caminhão da Volkswagen e camioneta da Hyundai foram os grandes campeões do Prêmio Maior Valor de Revenda. Veja todos os ganhadores

Hyundai HR 

O VW Delivery 5.150 é o caminhão mais valorizado do mercado brasileiro. O Estudo de Depreciação da Agência Autoinforme, feito com base na cotação da Molicar, revelou que o caminhão da Volkswagen perde apenas 14,8% do seu preço depois de três anos de uso.

O modelo foi o campeão geral do Prêmio Maior Valor de Revenda – Veículos Comerciais na categoria Caminhão. Na outra categoria, de Utilitários, o campeão geral foi o Hyundai HR, que teve uma depreciação ainda menor: a camioneta de carga perdeu apenas 13,6% do seu preço após três anos.

VWDelivery5.150

Todos os vencedores –nove categorias no total – receberam o Prêmio Maior Valor de Revenda Veículos Comerciais durante cerimônia realizada nesta quinta-feira, no Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas de São Paulo e Região (Setcesp), em evento organizado pela Autoinforme, em parceria com a Editora Frota (que edita a revista Frota&Cia) e a Textofinal.

Na categoria Utilitários, o campeão é o Dobló Cargo, da Fiat, que perde apenas 18,7% do valor inicial, após três anos de uso. Além de vencedor, ele é o grande destaque desta categoria, pois o segundo colocado, o Fiorino Furgão, deprecia 26,2%, quase 8% a mais que o Dobló. O Uno furgão é o terceiro colocado, com uma desvalorização de 26,5% no período avaliado. Repare que a Fiat domina as três primeiras posições (veja quadro).

VW Constellation 17.190

No caso dos Furgões de Carga, a depreciação dos primeiros colocados é bem próxima. O campeão foi o Daily Furgão, da Iveco, que perde apenas 15,6% do seu valor inicial em três anos. O segundo colocado é o Ducato Furgão, da Fiat, que desvaloriza 16% e o terceiro é o Master Furgão, da Renault, com 16,4%. Perceba que do primeiro para o terceiro colocado, a diferença é de apenas 0,8%, o que revela um grande equilíbrio entre os três menos depreciados (veja quadro).

FordCargo-1319

O Hyundai HR é o menos depreciado entre as Camionetas de Carga (e também de todo o grupo de utilitários), perdendo 13,6% do valor inicial. Na segunda posição aparece o Daily Chassi Cabine, da Iveco, que registrou uma perda de 15,3%. A Sprinter Chassi Cabine, da Mercedes-Benz, desvaloriza 15,5%.

VolvoFH

A categoria de Minibus é outra muito disputada. O primeiro colocado é o Sprinter Minibus, da Mercedes-Benz, que desvalorizou 17,8%. O segundo é o Ducato Minibus, da Fiat, com 17,9% do valor inicial em três anos. O Master Minibus, da Renault, perde 18,2% e ficou na terceira colocação.

FiatDoblo_cargo

Na categoria de Caminhão Semileve, o Volkswagen Delivery 5.150 – campeão geral – perde 14,8% em três anos. Em segundo está o Mercedes-Benz Sprinter 415, com 15% de depreciação. O F-350, da Ford, perde 15,2% do valor inicial e ficou na terceira posição. Repare no bom valor de revenda que os três primeiros colocados têm (veja quadro). Os seis concorrentes desta categoria desvalorizam menos de 16% em três anos.

MBSprinterMinibus

O campeão na categoria Caminhão Leve é o Mercedes-Benz Accelo 815, que acusou uma desvalorização de 15% do valor inicial. O Delivery 8.160, da Volkswagen, deprecia 15,2% e o Delivery 9.160 perde 15,3%. Essa categoria foi a que teve a maior diferença entre o menos e o mais desvalorizado, que perde 31,7% em três anos.

MBAccelo 815

O Ford Cargo 1319 é o Caminhão Médio menos depreciado da categoria, perdendo apenas 14,9% do valor inicial em três anos. O Constellation 13.190 e o 15.190, da Volkswagen, aparecem na segunda posição com 15,1% de depreciação. O Ford Cargo 1519 é o terceiro menos depreciado da categoria, perdendo 15,4% (veja quadro).

IvecoDailyFurgão

O VW Constellation 17.190 é campeão na categoria Caminhão Semipesado, com 17% de depreciação em três anos. A segunda posição é ocupada por dois caminhões, ambos da Volkswagen, o Constellation 17.280 e o Constellation 31.280 6×4, com -17,2% do valor inicial. A terceira posição é do Atego 1726, da Mercedes-Benz, que apontou uma desvalorização de 17,6% no período.        Foram 42 modelos concorrendo nesta categoria, com muitos desvalorizando mais que 20%.

O Volvo FH 460 6×4 é o campeão da categoria Caminhão Pesado, com 21,9% de depreciação em três anos. Outros dois caminhões da Volvo dividem a segunda posição. Tanto o FH 540 6×2 quanto o FH 540 6×4 perdem 22,1% após três anos. O R-440 A 6×2 NA Tractor, da Scania, é o terceiro colocado, depreciando 22,5% em três anos (veja quadro). Essa foi a categoria com o maior número de concorrentes: 67, incluindo modelos importados.

O Estudo de Depreciação da Agência Autoinforme é produzido com base na cotação de preços da Molicar e indica as marcas e modelos de caminhões e utilitários de carga que obtiveram os menores índices de depreciação no ano de 2015 (a base de estudo é primeiro quadrimestre do ano).

Os índices de depreciação são obtidos com base nas cotações de preços da Molicar, empresa de pesquisa de preços de veículos novos e usados no mercado brasileiro e referência no fornecimento de informações dessa natureza para bancos, seguradoras, financeiras, montadoras, revendas de veículos e profissionais do setor automotivo.

O índice de depreciação de veículos comerciais é a diferença entre o preço médio do veículo zero quilômetro cotado em 2012 e o seu preço de usado, em 2015, baseado na média apurada no primeiro quadrimestre desse ano.

No relatório final foram desconsiderados todos os veículos listados no ano de 2012, mas que não figuravam na pesquisa de 2015. Os motivos para isso são os mais variados, desde a suspensão da sua fabricação no ano em curso até a adoção de uma nova nomenclatura de identificação, seja pela incorporação de mudanças tecnológicas no produto ou por razões mercadológicas.

O Estudo completo – que contempla 164 caminhões e utilitários – poderá ser adquirido junto à Agência Autoinforme (juliana@autoinforme.com.br), fone 5535-6294.

Veja os ganhadores e os três primeiros colocados de cada categoria do Prêmio Maior Valor de Revenda Veículos Comerciais 2015:

PMVR_2015_UTILITARIO

PMVR_2015_CAMINHAO